3
Aladefe

Aladefe

ENERO 2012 N° 1 Volumen 2

Contribuciones al análisis de la XI Conferencia Iberoamericana de Educación en Enfermería, III Encuentro Latinoamérica-Europa y IV Simposio de Investigación de Educación en Enfermería

Sección: Originales

Cómo citar este artículo

Cruz Mendes A, Vidinha T, Moniz P, Loureiro C. Contributos para a análise da XI Conferência Iberoamericana de Educação em Enfermagem, III Encontro Latinoamerica-Europa e IV Simposium de Investigação de Educação em Enfermagem. REVISTA IBEROAMERICANA DE EDUCACIÓN E INVESTIGACIÓN EN ENFERMERÍA 2012; 2(1):20-26

Autores

1Aida Cruz Mendes, 2Telma Vidinha, 2Patricia Moniz, 3Cândida Loureiro

1Prof. Coordenadora, Enfermeira Especialista em Enfermagem de Saúde Mental e Psiquiatria, Mestr

Resumen

La XI Conferencia de la ALADEFE transcurrió del 19 al 23 de septiembre en Coímbra, Portugal, y su programa contempló un conjunto de participaciones por invitación (seminarios, conferencias, cursos, etc.) y comunicaciones libres.
Se presenta su evaluación, la cual permite una visión de conjunto más clara: planeamiento, desempeño y ejecución. Para su análisis se utilizó la información de las bases de datos de envío de comunicaciones libres (1.975 entradas) y de trabajo de los revisores (3.950), las evaluaciones realizadas por los participantes (201) y los cuestionarios elaborados que constaron en el registro de ejecución de distintas actividades (179). Los resultados revelan un evento de gran dimensión (1.703 participantes), internacional, con investigadores, educadores y enfermeros originarios de 36 países. La mayoría de las comunicaciones presentadas se centraron en la enseñanza, el aprendizaje y la formación continuada de los enfermeros, seguido de la promoción de la salud y de la educación para la salud. De forma general, la organización y la ejecución de las actividades fue evaluada como «destacable».

 

Palabras clave:

conferencia; enfermería; evaluación investigación

Title:

Contribution to the analysis of the 11th Iberoamerican Conference on Nursing Education, 3rd Latin America-Europe Meeting and 4th Research Symposium on

Abstract:

The 11th ALADEFE Conference took place from September 19th to 23rd, in Coimbra, Portugal, and the program included presentations from invited speakers (seminars, conferences, courses, etc.), as well as free oral presentations.
Its assessment is presented so as to reach a clearer view of the whole – planning, performance and execution. The analysis focused on the information contained in the databases for the submission of oral presentations (1,975 submissions) and reviewers’ evaluations (3,950 evaluations), the evaluation sheets filled out by participants (201), as well as the questionnaires designed to record the execution of the different activities (179). Results show that this was a massive international event (1,703 participants), with researchers, educators and nurses from 36 different countries. Most presentations were related to nurses’ education, learning and lifelong training, followed by health promotion and health education. Overall, the organization and execution of the activities was assessed as being “very good”.

Keywords:

assessment; conference; nursingresearch

Portugues

Título:

Contributos para a análise da XI Conferência Iberoamericana de Educação em Enfermagem, III Encontro Latinoamerica-Europa e IV Simposium de Investigação de Educação em Enfermagem

Resumo:

A XI Conferência da ALADEFE decorreu entre 19 e 23 de Setembro, em Coimbra, Portugal, e o programa (1) contemplou um conjunto de participações sob convite (seminários, conferências, cursos, etc.) e comunicações livres. Apresenta-se a sua avaliação para se obter uma visão mais clara do conjunto – planeamento, desempenho e execução. Para análise utilizou-se a informação das bases de dados de submissão de comunicações livres (1.975 entradas) e de trabalho dos revisores (3.950), as avaliações feitas pelos participantes (201) e os questionários elaborados para registo de execução das diferentes actividades (179). Os resultados revelam um evento de grande dimensão (1.703 participantes), internacional, com investigadores, educadores e enfermeiros originários de 36 países. A maioria das comunicações apresentadas versou o ensino, a aprendizagem e formação continuada dos enfermeiros, logo seguida da promoção de saúde e educação para a saúde. De uma maneira geral, a organização e execução das actividades foi avaliada em muito bom.

Palavras-chave:

conferência; investigação; enfermagemavaliação

INTRODUÇÃO

A avaliação sistemática dos projectos desenvolvidos é um requisito essencial para a melhoria dos processos e para que se possa obter, de uma forma mais clara, uma visão do conjunto –planeamento, desempenho e execução– permitindo a análise dos resultados obtidos. Quando realizamos a avaliação de uma actividade científica, como a organização de uma conferência, como foi o caso da XI Conferência da ALADEFE (1), onde se possibilita a divulgação do trabalho científico desenvolvido e a sua apreciação e debate pelos pares, pretendemos perceber como se facilitou este encontro de ideias e contribuir para uma análise do estado da arte.

Após uma candidatura bem sucedida para a organização deste evento procedeu-se ao seu planeamento e mobilização de recursos para a sua execução. Foram constituídas as seguintes comissões: organizadora; científica; de honra; conselho consultivo; encontro dos estudantes; programa social; apoios e patrocínios; documentação e audiovisuais; de divulgação, comunicação, informação e inscrições; e de aprovisionamento e tesouraria. Cada uma delas, em cada área específica, foi essencial para o planeamento e execução da actividade.

Por consenso entre as comissões organizadora, científica e direcção da ALADEFE, planeou-se três dias de conferência antecedidos de dois outros com a realização de seminários, cursos, reuniões, workshops, visitas profissionais, etc., que no seu conjunto criaram um grande espaço de reflexão sobre a educação e a investigação em enfermagem, considerada numa perspectiva da internacionalização e de um mundo global. Os grandes desafios que hoje se colocam, como os da equidade ou as novas realidades epidemiológicas e demográficas e suas consequências, mas também o fortalecimento da educação e da investigação em rede, foram amplamente debatidos durante esta semana em que estivemos reunidos. Cabe ainda realçar a feira de escolas, que não só se constituiu como uma interface importante entre a comunidade científica e os cidadãos que a visitaram, como também permitiu a divulgação de diferentes escolas nacionais e internacionais de enfermagem e a partilha de música e gastronomia tradicionais.

METODOLOGIA

Para recolha da informação utilizaram-se as bases de dados de submissão de propostas de comunicações livres (1.975 entradas) e de trabalho dos revisores (3.950 avaliações), as fichas de avaliação preenchidas pelos participantes (201), a base de dados de inscrições nas diferentes actividades, bem como as folhas de actas elaboradas para registo de execução das diferentes actividades (179). As fichas de avaliação colocadas ao dispor dos participantes faziam incidir a avaliação nos seguintes domínios: organização, apresentação, conteúdos e debate e possibilitavam uma classificação em cinco níveis, de fraco a excelente, e mais uma opção para as situações em que o respondente considerasse não se aplicar. Foram colocadas urnas para recepção destas avaliações nos diferentes recintos onde decorreram as actividades.

Foram nomeados para as salas em que decorreram as diferentes actividades responsáveis pela sua boa execução (professores e/ou estudantes). A estes foi solicitado, entre outras coisas, o preenchimento de folhas de acta concebidas para registo e avaliação das sessões. Permitiam, por exemplo, o registo do número de pessoas presentes em cada actividade, a desenvolvimento da mesma, aspectos positivos e negativos e a ocorrência de incidentes críticos.

RESULTADOS E DISCUSSÃO

Avaliação da conferência
A conferência, no que diz respeito às comunicações realizadas sob convite, decorreu de 20 a 23 de Setembro e contou com 5 conferências (3 na área da educação, uma das quais na sessão de abertura, 1 na saúde e 1 na investigação) e 5 mesas redondas (2 na área da saúde, 1 em educação e 2 sobre investigação). As tardes de 21 e 22 foram reservadas para as comunicações livres.

Das folhas de avaliação das diferentes actividades recebemos 201 avaliações, o que representa um número bastante reduzido e supõe uma maior atenção às necessidades de participação nos processos avaliativos em futuras organizações. A maioria das avaliações pertenceu a participantes oriundos de escolas de enfermagem (70,46%) e detentores de doutoramento (34,09%).

A actividade que recolheu mais avaliações foi a conferência (programa sob convite) com 92 respostas. Como podemos observar no Gráfico 1, a maioria das respostas situa-se no muito bom e excelente em três dos domínios em análise: organização, apresentação e conteúdos. O debate recolhe uma maior dispersão das avaliações o que está relacionado com as características da organização da conferência.

Para além do programa elaborado, por conciliação das várias entidades responsáveis por este evento, recebemos 1975 submissões de resumos para apresentação de comunicações livres, o que representa bem o dinamismo da comunidade académica de enfermagem. A sua avaliação requereu o contributo de 30 revisores de reconhecido mérito académico da Argentina, Brasil, Chile, Equador, Espanha, México, Panamá, Portugal e Uruguai. Na garantia do rigor científico, os resumos enviados foram apreciados por dois revisores de forma independente e duplamente cega, totalizando 3950 avaliações. Destas avaliações resultou uma taxa de 27% de rejeição.

A realização de um evento desta natureza pode representar, simultaneamente, um encontro da comunidade académica de enfermagem internacional e uma oportunidade para dinamizar a enfermagem, também, localmente. A participação de enfermeiros, educadores e investigadores de enfermagem de 36 diferentes países do mundo possibilitou uma grande diversidade cultural e relança a importância da enfermagem de língua portuguesa e castelhana no mundo. Mas, para além disso, registamos que dos 1700 participantes, 529 são portugueses, o que nos leva a confirmar o forte impacto que este evento também teve na criação de um espaço privilegiado para que a comunidade de enfermagem portuguesa pudesse dialogar com os seus pares de outros países.

Os resumos aprovados, e não representando um desvio em relação às submissões consideradas no seu conjunto, agrupados pelos diferentes eixos, mostram-nos uma predominância clara dos estudos sobre ensino, aprendizagem e formação contínua, logo seguido dos estudos na área da promoção da saúde e educação para a saúde (Gráfico 2).

Estes dados revelam-nos o grande desafio que temos pela frente, aumentando a investigação e sua divulgação sobre outros aspectos igualmente relevantes como a enfermagem clínica, a inovação e a transferência de conhecimento. Dos resumos apresentados e aprovados pela comissão científica foram elaborados dois livros de actas: um com as comunicações orais e outro com os posters.

Para avaliação das comunicações por submissão foram entregues 151 folhas de actas correspondentes a cada um dos blocos de apresentação dos trabalhos (15h-17h; 17h-19h). No final da conferência obtivemos um retorno de 149 folhas de actas, o que nos permitiu obter várias informações.

As apresentações de comunicações livres decorreram em 37 e 38 salas, nos dias 21 e 22 de Setembro respectivamente, e foram desafiados 127 moderadores oriundos de diversos países (119 de Portugal, 4 do Chile, 5 do Uruguai, 8 do Brasil, 3 do Panamá, 1 do México, 4 da Argentina, 2 do Peru, 4 de Espanha e 1 do Equador).

Da distribuição inicialmente proposta, houve necessidade de se proceder a alguns ajustamentos, uma vez que no dia 21 de Setembro faltaram 3 moderadores e no dia 22 de Setembro faltaram 2. Na ausência destes, a moderação dos trabalhos apresentados foi assegurada por professores da Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), não se tendo verificado qualquer atraso no cumprimento dos horários previstos. Para que todos estes ajustamentos decorressem sem incidentes e sem prejuízo dos participantes, em cada uma das salas esteve presente um estudante da ESEnfC. Todos os estudantes voluntários distribuídos (75 e 76 nos dias 21 e 22 de Setembro, respectivamente) compareceram na Conferência.

Das 149 folhas de actas recolhidas, foram identificadas 31 referências ao número de pessoas que se encontravam na assistência. A partir destas referências verificamos que no dia 21 de Setembro a assistência das comunicações livres foi, em média, de 10 pessoas por sala e no dia 22 de Setembro foi, em média, 13 pessoas por sala.

Das 760 comunicações orais previstas foram realmente apresentadas 750 (98,68%).

A avaliação realizada pelos participantes das comunicações orais, por submissão, é recolhida por 25 respostas. Estas foram globalmente avaliadas como muito boas e excelentes em todas as dimensões (84% consideraram excelente a organização, 52% a apresentação, 48% os conteúdos e 60% o debate).

No que diz respeito à apresentação de comunicações sob o formato de poster sujeitas a avaliação por pares, verificou-se que das 664 previstas foram efectivamente apresentadas 658 (99,10%). A avaliação dos participantes nestas sessões é obtida pela recolha de 11 folhas de avaliação, sendo que as sessões foram avaliadas globalmente como muito boas e excelentes em todas as dimensões (81,8% consideraram excelente a organização; 63,6% a apresentação, 63,6% os conteúdos e 63,6% o debate).

Como podemos verificar a maioria das avaliações situam-se no muito bom e excelente. Destas avaliações é de realçar o facto de a dimensão debate ser, tanto nas comunicações orais como nas apresentadas sob o formato de poster, avaliada com muito bom ou excelente o que nos dá uma ideia que os esforços para o controlo de tempo e organização resultaram na criação das condições necessárias ao seu bom funcionamento.

Ainda sujeito a avaliação pelos pares, foi aberta a possibilidade de apresentação de comunicações sob a forma de simpósio, que reunindo 3 a 5 participantes permitisse a abordagem de um mesmo tema sob diferentes perspectivas ou contributos. Deu-se prioridade àqueles que incluíssem projectos multicêntricos. Foram aprovados e apresentados 17 simpósios.

Avaliação de seminários
Para além do programa da conferência foram organizadas outras actividades pré-conferência ou paralelas à conferência. Como actividades pré-conferência realizou-se no dia 19 seminários sobre temas actuais e importantes para a comunidade académica internacional, tais como a mobilidade e as migrações, ou a creditação da formação em enfermagem e a regulação profissional e autonomia, num total de nove seminários.

Os seminários foram dirigidos por 4 a 5 prelectores, de diferentes nacionalidades, pelo que 5 tiveram tradução simultânea em português, inglês e espanhol.

Para estes seminários inscreveram-se 1470 participantes. No entanto, o número de participantes em cada seminário foi inferior aos inscritos, como se pode observar na Tabela 1. O seminário que contou com maior número de participantes foi o da Avaliação e acreditação da formação em Enfermagem, com 163 participantes, e o menor foi o de Experiências inovadoras em formação na área da enfermagem do idoso e geriatria, com 34 e apenas 35,05% de presenças em relação aos inscritos. O seminário Migrações e mobilidade profissional de enfermeiros foi o que teve uma relação inscrição/presença melhor, com 88,99% dos inscritos a comparecerem no seminário.

No seminário Enfermagem da saúde da mulher e educação em enfermagem de saúde materna e obstétrica foi aprovada a criação da “Federação Ibero-Americana de Enfermagem na Saúde da Mulher Obstétrica e Neonatal”.

A avaliação dos seminários por parte dos participantes contabiliza um total de 39 respostas. Os respondentes avaliaram-nos, maioritariamente, com bom e muito bom quanto à organização e com muito bom e excelente quanto aos conteúdos e apresentação. Mais uma vez o debate recolhe uma maior dispersão na avaliação, havendo mesmo uma percentagem de 17,9% que o considerou fraco.

Avaliação das reuniões de redes
Reuniram 12 redes internacionais que contaram com o interesse de 768 conferencistas. As inscrições e participações por rede estão apresentadas na Tabela 2.

Como se pode verificar, a participação nas reuniões apresenta uma grande variabilidade, com um mínimo de 10 pessoas na rede enfermagem e VIH das Américas e 90 na rede de investigadores em educação em enfermagem da Ibero-América.

Cada reunião de rede foi coordenada pelo seu responsável e co-coordenada por um professor designado pela ESEnfC, com currículo relevante na área em discussão.

Sobre estas actividades obtiveram-se 25 respostas dos participantes. Aqui, mais uma vez, a avaliação recai maioritariamente no muito bom e excelente (56% consideraram excelente a organização, 44% a apresentação, 56% os conteúdos e 56% o debate).

Avaliação dos cursos
Foram planeados 11 cursos (A conceptualização dos cuidados e a classificação internacional para a prática de enfermagem; Formação em enfermagem para cuidar o doente com dor; Aprendizagem por mediação; Educação por pares – estratégia de formação em enfermagem; Simulação de alta-fidelidade no ensino em enfermagem - grupo I e grupo II; Formação em enfermagem: prevenção de consumos inadequados; Educação em enfermagem sobre promoção do auto-cuidado à pessoa com deficiência; Role-playing como ferramenta metodológica no processo de ensino-aprendizagem – grupo I e grupo II; e Publicações científicas e a divulgação do conhecimento), nos quais participaram 218 pessoas.

A média de participantes por curso foi de 20, sendo que o curso que registou um maior número de participantes foi o de Role-playing como ferramenta metodológica no processo de ensino-aprendizagem (30) e o que registou um número menor, com apenas 13 formandos, foi o curso Educação em enfermagem sobre promoção do auto-cuidado à pessoa com deficiência. Mais uma vez se registou uma diferença entre o número de inscritos e o de participantes, sendo que o curso que apresentou uma maior percentagem de presenças relativamente às inscrições foi o

Aprendizagem por mediação, com 95,24%, seguido do Formação em enfermagem para cuidar o doente com dor, com 93,33%, e o que apresentou uma menor percentagem foi o Educação por pares, com apenas 55,17%.

É de realçar que dois cursos (Simulação de alta fidelidade e Formação em enfermagem sobre álcool) foram ministrados por equipas de formadores de várias nacionalidades (Portugal e Espanha no primeiro caso e Portugal, Brasil e Miami, no segundo), o que representa a tendência para a constituição de equipas multicêntricas mais coesas e estáveis. Os participantes, por sua vez, eram oriundos do México, Argentina, Chile, Brasil, Espanha, Colômbia, Costa Rica, Peru, Uruguai e Portugal, o que criou excelentes oportunidades de conhecimento mútuo e actualização do estado da arte nos diferentes domínios em que cada curso versou. A avaliação realizada pelos formadores é unânime no interesse e motivação dos participantes, bem como da oportunidade de partilha de experiências. A maior dificuldade, por alguns referida, foi o do completo entendimento da língua.

Dos participantes nestes cursos obtiveram-se 7 respostas. Apesar do número reduzido de respostas não nos permitir uma melhor análise da opinião dos participantes, os resultados obtidos referem uma avaliação excelente em todas as dimensões (85,7% na organização, 85,7% na apresentação, 71,4% no conteúdo e 71,4% no debate).

Avaliação dos workshops
Entre os dias 19 e 22 decorreram 5 workshops da responsabilidade de importantes organizações para a enfermagem: Conselhos Federal e Regional de Enfermagem do Brasil (COFEN), International Council of Nursing (ICN), Associação Portuguesa de Enfermeiros de Reabilitação (APER) e da Educacional de Medical Simulator S.L (SEM).

O workshop que registou o maior número de participantes foi o Métodos de avaliação com simulação (16) e com menor número (4) foi o Marcando a diferença: os programas do ICN. Este diminuto número de participantes talvez esteja relacionado com o facto de neste workshop não se ter oferecido tradução simultânea. Em todos os workshops verificou-se a presença de congressistas de diferentes nacionalidades (Brasil, Chile, Colômbia, Espanha e Portugal). Não foram registados incidentes críticos e não possuímos avaliações dos participantes.

Visitas a instituições profissionais
Foram realizadas 22 visitas a 10 instituições de saúde da região de Coimbra, durante três dias. Procurou-se na organização destas visitas seleccionar instituições de referência e com diferentes missões assistenciais: hospitais gerais (universitário e não universitário) e de média dimensão, de cuidados de saúde primários, de reabilitação, de oncologia, de psiquiatria, de pediatria e de obstetrícia. Para facilitar a escolha aos participantes colocou-se antecipadamente no site da conferência, os links das diferentes organizações a visitar. Participaram nestas visitas 325 conferencistas. Só foram obtidas 2 avaliações que consideraram-nas excelentes.

CONCLUSÃO

A organização e execução desta conferência constituíram um projecto desafiador para a ESEnfC. A candidatura à sua realização, em 2009 no Panamá, foi bem acolhida pelos nossos parceiros, aos quais agora agradecemos a oportunidade que nos deram de nos pôr à prova e de nos superarmos. Permitiu-nos criar e testar um conjunto de processos e sistemas de organização, mobilizar a comunidade educativa em torno de mais um objectivo comum de grande responsabilidade, oferecer à comunidade académica e profissional de Coimbra e de Portugal uma oportunidade relevante de aprender e partilhar conhecimento com outros colegas do mundo inteiro e servir o desenvolvimento do conhecimento e da profissão, como é nossa missão.

Podemos considerar que esta conferência foi muito significativa para os seus participantes e um forte contributo para o seu enriquecimento. O conjunto de actividades colocadas à disposição dos participantes foram amplamente procuradas demonstrando o interesse para que, aproveitando a ocorrência de um grande evento deste tipo, se poder e dever proporcionar outras actividades complementares de formação, partilha e discussão no sentido de desenvolver e consolidar o trabalho em rede numa dimensão planetária.

Por último queremos referir alguns aspectos que nos parecem mais críticos e que exigem uma maior atenção no futuro. Em primeiro lugar, as limitações relativas a uma certa dispersão dos espaços em que a conferência ocorreu. Apesar de tentarmos minimizar este inconveniente, com a mobilização de transportes próprios e da cidade ao dispor de todos os conferencistas, a dispersão das actividades podem ter sido sentidas por alguns como perturbadoras e exigiu de todos uma maior capacidade de adaptação a um local geográfico que lhes era desconhecido. Por outro lado, permitiu-nos dar a conhecer melhor a nossa escola e a cidade, o que esperamos que seja suficientemente compensador. Uma outra limitação está relacionada com o rigor e representatividade desta avaliação. As presenças nas diversas actividades foram validadas por registo electrónico e, apesar de considerarmos o meio suficientemente robusto, não é 100% infalível, podendo acontecer que haja algum desvio em relação à realidade. Mais limitador é, no entanto, o escasso número de avaliações recebidas. Este é um aspecto que deveremos trabalhar mais no futuro e tentar encontrar as melhores formas de mobilizar todos para que participando neste acto, nos ajudem a compreender e a melhorar futuras realizações.

Bibliografía

  1. XI Conferência Iberoamericana de Educação em Enfermagem da ALADEFE e ao III Encontro Latinoamerica-Europa [evento na internet]. 2011, Setembro 19-23; Coimbra, Portugal [acesso em 21 de Novembro de 2011]. Disponível em: http://www.esenfc.pt/event/event/home/index.php?target=home&defLang=1&event=64