3
Aladefe

Aladefe

OCTUBRE 2016 N° 4 Volumen 6

Motivos de estudantes de enfermagem para a escolha da carreira

Sección: Originales

Cómo citar este artículo

Sigaud CHS, De Souza NB, De Nobrega AA, Toriyama ATM, Costa P. Motivos de estudiantes de enfermagem para la escolha da Carreira. Rev. iberoam. Educ. investi. Enferm. 2016; 6(4):18-24

Autores

1Cecília Helena de Siqueira Sigaud, 2Nayara Benjamim de Souza, 3Angélica Alves da Nobrega, 1Aurea Tamami Minagawa Toriyama, 1Priscila Costa

1 Professora da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo (SP), Brasil.
2 Enfermeira residente em Enfermagem na Atenção Básica em Saúde da Família da Escola de
Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo (SP), Brasil.
3 Estudante da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo (SP), Brasil.

Resumen

Objetivo: este estudio tuvo como objetivo describir las razones de los estudiantes de enfermería para elegir la carrera y la actitud de sus familias ante su elección.
Metodología: se trata de un estudio descriptivo, con abordaje cuantitativo con un cuestionario a 72 estudiantes en el primer semestre del bachillerato en enfermería en una universidad pública en Sao Paulo, en la primera mitad de 2013.
Resultados: los motivos más frecuentes para elegir la carrera fueron: el interés por la salud (22,4%), la afinidad con el curso de en-fermería (12,6%), la apreciación de las personas y el interés en ayudar (11,7%), y el deseo de cuidar a las personas (11,7%). La mayoría de las familias de los estudiantes tenían actitud de respeto y apoyo a la elección de su hijo.
Discursión/Conclusiones: los resultados contribuyen a la reflexión sobre la práctica docente orientada a satisfacer las expectativas de los estudiantes y, por lo tanto, contribuyen a su formación.

Palabras clave:

estudiantes de enfermería ; selección de profesión ; bachillerato en Enfermería

Title:

Reasons for selecting university courses by nursing students

Abstract:

Purpose: we aimed at describing the reasons for selecting university courses by nursing students and family attitudes regarding such decision.
Methods: this is a descriptive study using a quantitative approach with a questionnaire completed by 72 students in a nursing bachelor first semester in a public university in Sao Paulo, in first half 2013.
Results: most common reasons to select university course were: interest in health (22.4%), affinity with nursing course (12.6%), esteem for people and interest in helping (11.7%), and a wish to care for people (11.7%). Most families showed a respectful and sup-porting attitude regarding students course selection.
Conclusions: our results contribute to reflection on teaching practice focused on meeting students expectations and improving their education.

Keywords:

nursing students; career choice; nursing baccalaureate

Portugues

Título:

Razones de los estudiantes de enfermería para elegir la carrera

Resumo:

Objetivo: este estudo objetivou descrever os motivos de estudantes de enfermagem para a escolha da carreira, e a atitude de seus familiares frente a sua escolha.
Metodologia: trata-se de estudo descritivo de abordagem quantitativa, com aplicação de questionário a 72 estudantes do primeiro semestre do curso de bacharelado em enfermagem de uma universidade pública estadual em São Paulo no primeiro semestre de 2013.
Resultados: os motivos mais frequentes para a escolha da carreira foram: interesse pela área da saúde (22,4%), afinidade pelo curso de Enfermagem (12,6%), apreço pelas pessoas e vontade de ajudá-las (11,7%), e o desejo de prestar cuidado (11,7%).
Discussão/Conclusão: a maioria dos familiares dos estudantes teve atitude de respeito e apoio à escolha de seu filho. os achados contribuem para reflexões sobre a prática docente visando o atendimento das expectativas do estudante e, consequentemente con-tribuição para sua formação.

Palavras-chave:

estudantes de enfermagem; escolha da profissão; bacharelado em enfermagem

INTRODUÇÃO

A escolha profissional é uma importante decisão na vida das pessoas, pois determina de certa forma o destino do indivíduo, seu estilo de vida e até o tipo de pessoas com quem irá conviver no trabalho e na sociedade (1). No Brasil e em outros países, a escolha da carreira é um processo que tem seu ápice no final do ensino médio e se conclui com a aprovação no exame para ingresso no curso superior (2).

A Enfermagem passou por mudanças a partir da década de 1990 no Brasil, com a implantação do Sistema Único de Saúde e a expansão da atuação e empregabilidade dos enfermeiros. Desde então, percebeu-se maior interesse pela enfermagem, que pode ser constatado pelo crescente número de cursos de graduação, especialmente na rede privada de ensino (3).
Dentre os motivos para a escolha do curso de Enfermagem, um estudo realizado em uma universidade publica de Londrina revelou que os ingressantes no curso destacam o desejo de cuidar e ajudar as pessoas, a afinidade com o curso, a admiração pela atuação profissional da enfermagem e a influência dos parentes como os principais fatores para a escolha (4).

Estudos internacionais revelam como motivos para a escolha do curso de Enfermagem: a boa remuneração e empregabilidade no próprio país e no exterior (2,5-8), a oportunidade de ajudar e cuidar dos outros (2,5,7), o gosto e aptidão pelos conhecimentos e atuação na área de Enfermagem (5-7), o interesse pelo campo da saúde (4), e a possibilidade de continuidade dos estudos de pós-graduação na área (4). A influência familiar, de professores e amigos, além da história de doença na família também é mencionada como razão para a opção profissional pela Enfermagem (2,5-7). Verifica-se ainda que a grande concorrência pela área médica leva candidatos a procurar outras profissões menos disputadas na área da saúde, como a Enfermagem (5,6).

No entanto, o conhecimento sobre os fatores que motivam e determinam a escolha do curso de enfermagem pelos estudantes brasileiros ainda é limitado. Tratase de importante iniciativa para promover a reflexão sobre o ensino, o atendimento das expectativas dos estudantes e a formação do enfermeiro. Pode-se ainda identificar ações necessárias no apoio de jovens em seu processo de escolha profissional. Com base no exposto, realizou-se estudo com o objetivo de descrever os motivos de estudantes de enfermagem para a escolha da carreira, bem como a atitude dos familiares dos estudantes frente a sua escolha.

MÉTODO

Trata-se de estudo descritivo de abordagem quantitativa conduzido com estudantes matriculados no primeiro semestre do curso de bacharelado em Enfermagem de uma universidade pública estadual na cidade de São Paulo no período de fevereiro a junho de 2013.
Para a coleta de dados, utilizou-se um questionário composto por questões elaboradas pelos pesquisadores de acordo com o problema de pesquisa. Após esclarecimento sobre os objetivos da pesquisa, o questionário e o termo de consentimento livre e esclarecido foram entregues a todos os estudantes regularmente matriculados em disciplinas sob coordenação de docentes da Escola de Enfermagem e pertencentes ao primeiro semestre do curso. O questionário foi preenchido pelos próprios sujeitos da pesquisa, e entregue posteriormente aos pesquisadores.
As variáveis estudadas para caracterização da população do estudo foram: idade, sexo, estado civil e número de filhos. Para investigar sobre os motivos para a escolha da carreira de Enfermagem e sobre a atitude dos familiares dos estudantes frente a escolha do curso foram formuladas questões abertas. As respostas foram agrupadas conforme o tema, dando origem a categorias temáticas. Os dados da caracterização e as categorias temáticas foram armazenados em planilha Microsoft Excel for Windows 2003 em dupla entrada e analisados no software Epi-Info 3.5.4. Foi realizada estatística descritiva das variáveis contínuas, com médias e desvios padrão. Para as variáveis categóricas, foi realizada distribuição das frequências absoluta e relativa.

O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da instituição de ensino (Processo Nº164/2013/CPq/EEUSP) e auto-rizado pela diretoria da mesma instituição.

RESULTADOS

Durante o período de coleta de dados, foram entregues 78 questionários aos estudantes do primeiro semestre do bacharelado em Enfermagem. Foram obtidos 72 (92,3%) questionários respondidos, que compuseram a população do estudo. A maioria dos participantes era do sexo feminino (85,9%), com idade inferior ou igual a 20 anos de idade (76,4%), média de 19,9 anos, solteiros (95,8%) e sem filhos (97,2%).

Em relação aos motivos para a escolha da carreira de Enfermagem, os mais frequentes foram o gosto, interesse e vocação pela área da saúde e o apreço pela Enfermagem, conforme dados da Tabela 1. Alguns estudantes assinalaram mais de um motivo para a escolha do curso.
Quanto à atitude dos familiares em relação à escolha profissional dos estudantes, a maioria dos estudantes (73,6%) revelou não ter sofrido influência familiar para sua escolha profissional. Feita a escolha, a maioria dos pais a apoiou (Tabela 2). A maioria dos familiares dos estudantes (39,4%) apresentou atitude de respeito e apoio à escolha do filho, 10,4% apreço e respeito pela Enfermagem, e 9% dos estudantes relataram que seus familiares acreditam que ainda há preferência por outro curso, e 6,1%dos familiares creem que se trata de uma profissão mal remunerada.

DISCUSSÃO

A motivação mais citada pelos alunos ingressantes para a escolha do curso de enfermagem foi o “Gosto, interesse e vocação pela área da saúde”, corroborando com outros estudos envolvendo estudantes de enfermagem em âmbito nacional(4) e in-ternacional (2,5,6). Essa e as outras três motivações mais citadas (“Apreço, identificação e afinidade com a Enfermagem”, “Apreço pelas pessoas, desejo de ajudá-las e salvar vidas” e “Cuidado direto de pessoas”) mostram que a prática do cuidado de enfermagem que propicia a recuperação e reabilitação do paciente é fundamental para o restabelecimento de sua saúde, distingue a profissão de enfermagem (9,10) e atrai os estudantes para o curso.

Este resultado mostra ainda que a motivação humanitária para a escolha do curso de enfermagem, expressa no desejo de aju-dar e servir aos outros, mantém-se presente e encontra-se atrelada aos valores nigthingaleanos históricos dos primórdios da profissão no século XIX, em que as escolhas de carreiras para as mulheres eram limitadas e a enfermagem era vista como uma vocação (9,18). No imaginário dos estudantes de enfermagem ainda estão presentes aspectos constituintes do estereótipo das enfermeiras que iniciaram a profissão, em que a caridade, o amor ao próximo e o carinho são características imprescindíveis para o profissional (9).

A atuação ou formação anterior na área de Enfermagem envolvendo seus familiares e amigos ou os próprios estudantes foi relatada por 11% dos respondentes. Segundo a literatura, além dessa experiência servir como fonte de informação referente à função e às atividades gerais do enfermeiro (2,4-6), a procura pelo curso universitário de enfermagem por profissionais de nível técnico e médio de enfermagem é motivada pela busca da ampliação de conhecimentos teórico-científicos e da ascensão profissional, consistindo em estratégia de mudança e melhora das atividades profissionais, do status dentro da equipe e de re-muneração (11).

Apesar de apenas 3,9% dos estudantes apontarem as “Perspectivas positivas de trabalho na área da Enfermagem (boa inserção no mercado de trabalho, estabilidade salarial, crescimento profissional)”, destacam-se estudos que confirmam a importância do mercado de trabalho fértil e promissor para a escolha profissional (2,5,6).

A partir dos anos 90, com a implantação do Sistema Único de Saúde (SUS) no Brasil, e dos novos modelos assistenciais como a Estratégia de Saúde da Família, houve forte crescimento dos postos de trabalho no setor público de saúde (12). Desde antes, setor privado também vinha se constituindo importante empregador através da rede hospitalar conveniada (13).

Tal expansão representou melhora da empregabilidade para os enfermeiros, bem como maior autonomia profissional no que se refere à gestão dos serviços de saúde e atendimento clínico (3). Trouxe consigo um considerável aumento de inte-ressados pela área, impulsionando a abertura de novos cursos graças às mudanças das leis que regem o ensino superior no país (3).
Entretanto, na atualidade grande contingente de enfermeiros recém-formados é lançado no mercado de trabalho anualmente nas regiões mais adensadas do país como sul e sudeste, onde estão concentradas as instituições de ensino superior, acarretando maior competitividade por postos de trabalho (12). Nesse sentido, há estudos que relatam insegurança em relação à empre-gabilidade dos enfermeiros tanto em território nacional (14), como internacional (15).
A grande oferta de profissionais enfermeiros coloca as instituições empregadoras em situação privilegiada, podendo escolher os mais capacitados e com melhor formação nos processos seletivos e concursos públicos. Assim, para a inserção no mercado de trabalho, destaca-se a importância da boa formação, postura profissional e rede de relacionamentos (16), além da formação crítico-reflexiva e constante atualização de conhecimentos (17).

A grande concorrência pela área médica leva muitos candidatos a procurar outras profissões menos concorridas na área da saúde, como a Enfermagem. Assim, há alunos que cursam Enfermagem especialmente por sua facilidade de ingresso no curso (2,5,6), relatado por 4,9% dos estudantes.

Com relação à atitude dos familiares dos estudantes de enfermagem frente à escolha da carreira, quase 90% relatou o apoio parcial ou total, o que pode demonstrar um avanço quanto a atitudes preconceituosas em relação à enfermagem, considerada inferior e submissa à medicina, acarretando questionamentos e reprovação por parte de parentes e amigos àqueles que fazem a opção pela área (19).

O descontentamento em relação à enfermagem está fortemente vinculado à imagem social negativa e preconceituosa da pro-fissão. Os enfermeiros sofrem de baixa remuneração e consequente necessidade de múltiplos vínculos empregatícios, precarização das condições de trabalho e pouco prestígio social, advindo historicamente por ser considerada hierarquicamente inferior à categoria médica (10,13).

Apesar de o estudo ter analisado dados referentes a 72 estudantes do primeiro semestre de um curso de bacharelado em En-fermagem na cidade de São Paulo, algumas limitações devem ser consideradas. A primeira limitação se refere ao caráter unicêntrico da pesquisa, dado que foi conduzida em apenas uma instituição de ensino superior brasileira. Estudos abrangentes com coleta de dados em âmbito nacional e internacional poderiam ampliar a compreensão sobre a motivação dos estudantes de enfermagem para a escolha da carreira, bem como verificar a associação entre os motivos referidos pelos estudantes e seu contexto sociocultural. Outra limitação do presente estudo se refere à coleta de dados utilizando questionário preenchido pelos próprios participantes em um único momento. Pesquisas futuras poderiam coletar informações ao longo do curso, o que per-mitiria compreender, sob a perspectiva do estudante, se suas expectativas estão sendo correspondidas no decorrer da formação, ou não.
O presente estudo revelou que as principais motivações dos estudantes para a escolha da carreira de Enfermagem envolvem interesse pela área da saúde e pela Enfermagem, bem como o desejo de ajudar e cuidar de pessoas. Essas motivações de-monstram que os estudantes reconhecem o cuidado de enfermagem como o ponto central da profissão. Na mesma direção, estudos revelam que o desenvolvimento da experiência clínica no estudante de enfermagem é considerado relevante pelas instituições de ensino superior, e a satisfação dos estudantes em relação à aprendizagem de competências clínicas é influenciada pela presença de um supervisor (20).

A maior proximidade entre os docentes e o corpo discente promove o conhecimento dessas expectativas e deve ser estimulada por meio da adoção de estratégias pedagógicas como tutoria e supervisão em pequenos grupos. A formação deve levar em conta as expectativas dos estudantes, favorecendo a sua satisfação e contribuindo para a melhoria do curso.

CONCLUSÃO

Este estudo demonstrou que a escolha profissional dos estudantes está fortemente vinculada ao apreço e afinidade com a área da saúde, em especial a própria Enfermagem, bem como ao caráter humanitário da profissão. A influência familiar para a escolha profissional foi negada pela maioria dos estudantes, e a maior parte se percebeu apoiado em alguma medida em relação a sua decisão pelo curso. As atitudes favoráveis dos pais em relação à escolha profissional são o respeito e apoio à es-colha do filho e à Enfermagem.

Os achados do presente estudo sugerem que ações para o esclarecimento dos estudantes de nível médio acerca da enfermagem, seu mercado de trabalho e campo de atuação do enfermeiro podem estimular o interesse pelo curso assim como permitir que os estudantes façam sua escolha de modo consciente e informado. Conhecer a motivação para a escolha da carreira per-mite ainda conhecer o perfil do ingressante, e assim repensar a prática docente para atender às expectativas do estudante e, consequentemente contribuir para sua melhor formação.

Bibliografía

  1. Nepomuceno RF, Witter GP. Influência da família na decisão profissional: opinião de adolescentes. Psicol Esc Educ. 2010; 14(1):15-22.
  2. Tayebi Z, Nayeri ND, Negarandeh R, Shahbazi S. Motives for entering nursing in Iran: a qualitative study. Iran J Nurs Mid-fery Res. 2013; 18(1):59-64.
  3. Rocha ME, Martins O, Nunes BMVT. Expansão dos cursos de graduação em Enfermagem: estudo no Piauí. Rev Bras En-ferm. 2013; 66(3):391-98.
  4. Borges AG, Vannuchi MTO, Gonzáles AD, Vannuchi RO. Caracterização e expectativas de estudantes ingressantes de um curso de graduação em Enfermagem. Rev Esp Saúde. 2010; 12(1):1-6.
  5. Diomidous M, Mpizopoulou Z, Kalokairinou A, Mprokalaki I, Zikos D, Katostaras TH. Descriptive study of nursing students’ motives to choose nursing as a career. J ene. 2013; 5(2):60-3.
  6. Cho S, Jung SY, Jang S. Who enters nursing schools and why do they choose nursing? A comparison with female non-nursing students using longitudinal data. Nurse Educ Today. 2010; 30(2):180-85.
  7. Wilkes L, Cowin L, Johnson M. The reasons students choose to undertake a nursing degree. Collegian. 2015; 22(3):259-65.
  8. Halperin O, Mashiach-Eizenberg M. Becoming a nurse: a study of career choice and professional adaptation among Israeli Jewish and Arab nursing students: a quantitative research study. Nurse Educ Today. 2014; 34(10):1330-34.
  9. Spindola T, Santiago MMA, Martins ERC, Francisco MTR. Significado da profissão para os alunos que ingressam na gra-duação em Enfermagem. Rev Bras Enferm. 2011; 64(4):725-31.
  10. Souza NVDO, Correia LM, Cunha LS, Eccard J, Patrício RA, Antunes TCS. O egresso de enfermagem da FENF/UERJ no mundo do trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(1):250-57.
  11. Colenci R, Berti HW. Formação profissional e inserção no mercado de trabalho: percepção de egressos de graduação em enfermagem. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(1):158-66.
  12. Silva KL, Sena RR, Tavares TS, Wan der Maas L. Expansão dos cursos de graduação em enfermagem e mercado de tra-balho: reproduzindo desigualdades? Rev Bras Enferm. 2012; 65(3):406-13.
  13. Machado MH, Vieira ALS, Oliveira E. Construindo o perfil da enfermagem. Enferm foco. 2012; 3(3):119-22.
  14. Silva KL, Sena RR, Grillo MJC, Gandra EC, Silveira MR. Expansão dos cursos de graduação em enfermagem: dilemas e contradições frente ao mercado de trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(5):1211-18.
  15. Paz-Rodríguez F, Betanzos-Díaz N, Uribe-Barrera N. Expectativas laborales y empleabilidad em enfermería y psicologia. Aquichan. 2014; 14(1):67-78.
  16. Jesus BH, Prado ML, Spillere LBB, Gomes DC, Canever BP. Inserção no mercado de trabalho: trajetória de egressos de um curso de graduação em enfermagem. Esc Anna Nery. 2013; 17(2):336-45.
  17. Canever BP, Gomes DC, Jesus BH, Spillere LB, Prado ML, Backers, VMS. Processo de formação e inserção no mercado de trabalho: uma visão dos egressos de enfermagem. Rev Gaucha Enferm. 2014; 35(1):87-93.
  18. Lee G, Clark AM, Thompson DR. Florence Nightingale: never more relevant than today. J AdvNurs. 2013; 69(2): 245-6.
  19. Jesus ES, Marques LR, Assis LCF, Alves TB, Freitas GF, OguissoT. Preconceito na enfermagem: percepção de enfermeiros formados em diferentes décadas. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(1):166-73.
  20. Papastavrou E, Dimitriadou M, Tsangari H, Andreou C. Nursing students’ satisfaction of the clinical learning environment: a research study. BMC Nurs. 2016; 15:44.