3
Aladefe

Aladefe

JULIO 2014 N° 3 Volumen 4

Impact of playing activities on a humane care for pediatric cancer patients in the Aracaju-Se town hospital

Section: Originals

How to quote

Moura Silva G, Souza dos Santos C, Yuriko Kameo S, Okino Sawada N. A influência do lúdico no cuidado humanizado a pacientes oncológicos pediátricos no hospital do município de Aracaju-Se. Rev. iberoam. Educ. investi. Enferm. 2014; 4(3):26-35.

Authors

1Glebson Moura Silva, 2Clesemary Souza dos Santos, 3Simone Yuriko Kameo, 4Namie Okino Sawada

Position

1Docente da Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre em Enfermagem, Universidade Tiradentes, Aracaju, Sergipe, Brasil. 2Enfermeira, Especialista em Oncologia, Hospital de Urgências de Sergipe. Aracaju, Brasil. 3Docente, Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestre e doutoranda em Enfermagem Fundamental, Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Brasil. 4Docente Associada, Departamento de Enfermagem Geral e Especializada, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, Brasil.

Contact email: glebsonmoura@yahoo.com.br

Abstract

Introduction: The study was aimed to understand how playing activities contribute to a humane care for children with cancer admitted in a health institution.
Methods: A descriptive exploratory study, based on qualitative and quantitative methods, in a sample made of 40 people accompanying hospital-admitted children.
Results: A predominance of 11-15 years old children was observed; most accompanying individuals were young adult men. Length of hospital stay was 11 to 15 days. Most common cause for hospital admission was leukemia therapy. Impact of playing activities is positive, because they reduce the burden of hospitalization, reduce stress both for child and accompanying individual; enhance socialization, return patients to a children world, and help recovery.
Conclusion: Promotion of playing activities in a hospital setting helps to enhance socialization and communication among patients, caregivers and health workers.

Keywords:

children with cancer; cancer; humane care; playing activities

Versión en Español

Título:

A influência do lúdico no cuidado humanizado a pacientes oncológicos pediátricos no hospital do município de Aracaju-Se

Artículo completo no disponible en este idioma / Full article is not available in this language

Bibliography

  1. Rossit RAS, Kovacs ACTB. Internação Essencial de Terapia em Enfermagem Pediátrica. In: Malagutti W. Oncologia Pediátrica: uma abordagem multidiciplinar. São Paulo: Martinari; 2011.
  2. Matos ELM. Pedagogia Hospitalar: a humanização integrando educação e saúde. 2ª ed. Petrópolis: Vozes; 2007.
  3. Moleta AS. Brinquedoteca Hospitalar: o lúdico em um novo contexto; 2005. [Em línea] [fecha de acceso: 16 de mayo de 2014]. URL disponível em: http://www.artigos.com/artigos/humanas/educacao/brinquedoteca-hospitalar:-o-ludico-em-um-novo-contexto
  4. Kishimoto TM, Ono AT. Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca. Pro-Posições. Campinas 2008; 19(3):209-223.
  5. Lei N. 11.104 de 21 de março de 2005. Dispõe sobre a obrigatoriedade de instalação de brinquedotecas nas unidades de saúde e dá outras providências; 2005. [Em línea] [fecha de acesso: 15 de mayo de 2014]. URL disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11104.htm
  6. Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 2007; 70.
  7. Azevedo AVS. O brincar da criança com câncer no hospital: análise da produção científica. Estud. Psicol 2011; 28(4):565-572.
  8. Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação Geral de Ações Estratégicas. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Estimativa 2012: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva, Coordenação Geral de Ações Estratégicas, Coordenação de Prevenção e Vigilância, Rio de Janeiro: Inca, 2014.
  9. Oliveira BRG de, Collet N. Criança hospitalizada: percepção das mães sobre o vínculo afetivo criança-família. Rev. Latino-Am. Enfermagem 1999; 7(5):95-102.
  10. Artilheiro APS, Almeida FA, Chacon JMF. Uso do brinquedo terapêutico no preparo de crianças pré-escolares para quimioterapia ambulatorial. Acta paul. Enferm. 2011; 24(5):611-616.
  11. Mota MC, Chaves P. Brinquedo hospitalar “nosso cantinho”: relato de uma experiência de brincar. In: Carvalho A et al. Brincar(es) Belo Horizonte: UFMG, 2005.
  12. Enoki E. O Lúdico por Educadores, Piaget e Vygostsky; 2009. [Em línea] [fecha de acceso: 10 de mayo de 2014]. URL disponível em: http://www.smarcos.br
  13. Paula CC, Ravelli APX, Mota MGC. Cuidado de enfermagem na aventura do desenvolvimento infantil: reflexões sobre o lúdico no mundo da criança. Cogitare Enfermagem 2002; 7(2):148-154.
  14. Maia EBS, Ribeiro CA, Borba RIH. Brinquedo terapêutico: benefícios vivenciados por enfermeiras na prática assistencial à criança e família. Revista Gaúcha de Enfermagem 2008; 29(1):39-46.
  15. Santos MP. Brinquedos e Infância: um guia para pais e educadores em creches. Petropólis, RJ: Vozes; 2005.
  16.  Leite TMC, Shimo AKK. Uso do brinquedo no hospital: o que os enfermeiros brasileiros estão estudando? Rev Esc Enferm USP 2008; 42(2):389-395.
  17. Angelo TS, Vieira MRR. Brinquedoteca hospitalar: da teoria à prática. Arq Ciênc Saúde. 2010; 17(2):84-90.
  18. Santarosa LMC. Ambientes de Aprendizagem Virtuais: inclusão social de portadores de necessidades especiais. Porto Alegre: UFRGS; 2002.
  19. Mitre RMA. Brincando para viver: um estudo sobre a relação entre a criança gravemente adoecida e hospitalizada e o brincar, Rio de Janeiro/RJ. Rio de Janeiro: Instituto Fernandes Figueira, Fiocruz; 2000.
  20. Vila ACD, Vila VSC. Tendências da produção do conhecimento na educação em saúde no Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2007; 15(6):1177-83.
  21. Motta AB, Enumo SRF. Brincar no hospital: estratégia de enfrentamento da hospitalização infantil. Psicol Estud 2004; 9(1):19-28.
  22. Cardoso FT. Câncer infantil: aspectos emocionais e atuação do psicólogo. Rev SBPH 2007; 10(1):26-52.
  23. Vectore C, Kishimoto TM. Por traz do imaginário infantil: explorando a brinquedoteca. Psicol Esc Educ (Impr.) 2001; 5(2):59-65.
  24. Borges EP, Nascimento MDSB, Silva SMM. Benefícios das atividades lúdicas na recuperação de crianças com câncer. Boletim Academia Paulista de Psicologia 2008; 28(2):211-221.
  25. Simões ALA, Maruxo HB, Yamamoto LR, Silva LC, Silva PA. Satisfação de clientes hospitalizados em relação às atividades lúdicas desenvolvidas por estudantes universitários. Rev Eletr Enf 2010; 12(1):107-112.