3
Aladefe

Aladefe

ENERO 2015 N° 1 Volumen 5

Intensive care nurses' knowledge on pain in preterm newborns

Section: Originals

How to quote

Moura Silva G, Gorete M, Figueiredo S, Yuriko Kameo S, Márcia Oliveira F, Dantas dos Santos A. Conhecimento das enfermeiras atuantes em unidade de terapia intensiva frente a dor no recém-nascido pré-termo. Rev. iberoam. Educ. investi. Enferm. 2015; 5(1):47-55.

Authors

1Glebson Moura Silva, 2Maria Gorete S. Figueiredo, 3Simone Yuriko Kameo, 4Flávia Márcia Oliveira, 5Allan Dantas dos Santos

Position

1Mestre em Saúde e Ambiente. Docente da Universidade Federal de Sergipe. Aracaju-Sergipe, Brasil. 2Enfermeira. Grupo de estudo e pesquisa em saúde, Faculdade Ages ltda. 3Mestre em Enfermagem Fundamental. Docente da Universidade Federal de Sergipe. 4Doutora em Bioquímica e Imunologia. Docente da Universidade Federal de Sergipe.5Mestre em Parasitologia. Docente da Universidade Federal de Sergipe.

Contact email: glebsonmoura@yahoo.com.br

Abstract

Purpose: We aimed at verifying the knowledge nurses in neonatal intensive care units have on pain in preterm newborns.
Methods: A qualitative, exploratory, descriptive approach was used, with the study being carried out in a reference hospital in Aracaju, Sergipe. A semi-structured interview was used in a sample of nurses giving their informed consent. Data were tabulated and selected based on categories, frequency, and variables.
Results: Findings revealed nurses' perception on mother-newborn and family interaction; pain concept and recognition by nurses; nurses' knowledge on pain assessment scales; nurses' attitudes on pain relief; perception on neonatal care unit humanization.
Discussion: Nurses should apply pain relief measures and promote interaction with families, but barriers exist to apply protocols allowing a more appropriate management of pain and stress.

Keywords:

nursing knowledge; pain; newborn care

Versión en Español

Título:

Conhecimento das enfermeiras atuantes em unidade de terapia intensiva frente a dor no recém-nascido pré-termo

Artículo completo no disponible en este idioma / Full article is not available in this language

Bibliography

  1. Guinsburg R, Balda RCX, Bernguel RC, Almeida MFB, Tonelotto J, Santos AMN. Aplicação da escalas para avaliação da dor em recém-nascidos. J Pediatria 1997; 73(6):411-418.
  2. Guinsburg R, Cuenca MC. A linguagem da dor no recém-nascido. São Paulo (SP): Sociedade Brasileira de Pediatria; 2000.
  3. Gaspardo CM, Linhares MB, Martinez EE. Lhe efficacy of suctose for the reflef of pain in neonates: a systimatec review of the literature. J Pediatria 2005; 81(6):435-442.
  4. Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 10ª ed. São Paulo (SP): Hucitec; 2007.
  5. Guerrer FJL. Estresse dos enfermeiros que atuam na unidade de terapia intensiva no Brasil [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo. Escola de enfermagem; 2007.
  6. Bianchi ERF. Enfermeiro hospitalar e o estresse. Rev Esc Enferm USP 2000; 34(4):390-394.
  7. Cloherty JP, Eichenwald EC, Stark AR. Tratamento da dor e do estresse na UTIN In: Manual de Neonatologia. 6ª ed. Rio de Janeiro: Ed. Guanabara Koogan; 2010. p. 510-514.
  8. Guiolliano LAS. Stress dos enfermeiros em hospital privado e as consequências no seu estado de saúde [dissertação]. São Paulo (SP): Universidade de São Paulo. Escola de enfermagem; 2004.
  9. Gomes MASM. Organização da assistência perinatal no Brasil. In: Moreira MEL, Lopes JMA, Carvalho M. O recém-nascido de alto risco: Teoria e pratica do cuidar. Coleção Criança, mulher e saúde. Rio de Janeiro (RJ): Fiocruz; 2004.
  10. Reichert APS, Costa SFG. Refletindo a assistência de enfermagem ao binômio mãe e recém-nascido prematuro na Unidade Neonatal. Rev Nursing 2002; 4(38):25-29.
  11. Margotto PR, Rodrigues DN. Dor neonatal: analgesia/sedação. In: Margotto PR. Assistência ao recém-nascido de risco. 2ª ed. Brasília: Porfirio; 2004.
  12. Cameron EC, Raingangar V, Kroori N. Effect of handing procedures on pain responses of very low birth weight infants. Pediatric Phys their 2007; 19(1):40-47.
  13. Chaves LD, Leão ER. Dor: O 5º sinal vital: reflexões e intervenções de enfermagem. 2ª ed. São Paulo (SP): Martinari; 2007.
  14. Silva YP, Gomes RS, Maximo TA, Silva ACS. Avaliação da dor em neonatologia. Rev Bras Anestesia 2007; 57:565-574.
  15. Guyton AC. Tratado de Fisiología médica. 12ª ed. Río de Janeiro (RJ): Interamericana; 2011.
  16. Silva LMG, Brasil VV, Guimarães HCQCP, Savonitti BHRA, Silva MJP. Comunicação não-verbal: reflexões acerca da linguagem corporal. Rev Latino-am. Enfermagem 2000; 8(4):52-58.
  17. Walker SM, Howard RF. Neonatal pain. Pain rev 2002; 9:69-79.
  18. Vidal MA, Calderón E, Martínez E, Gonzálvez A, Torres LM. Dolor em neonatos. Rev Soc Esp Dolor 2005; 12:98-111.
  19. Holsti L, Grunau RE. Initial Validation of the Behavioral Indicators of Infant Pain (BIIP). Pain rev 2007; 132:264-272.
  20. Pereira ALST, Guinsburg R, Almeida MFB, Monteiro AC, Santos AMN, Kopelman IB. Validity of behavioral and plysiologic parameters for acute pain assessment of term newborn infants. Med J 1999; 117:22-80.
  21. Brasil. Ministério da saúde. Secretaria de políticas de saúde. Área de saúde da criança. Apresentação da norma de atenção humanizada ao RN de baixo peso (método mãe-canguru). 2ª ed. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2011.
  22. Reichert APS, Costa SFG. Refletindo a assistência de enfermagem ao binômia mãe e Recém-nascido prematuro na Unidade Neonatal. Nursing 2001; 4(38):25-29.
  23. Entringer AP, Durante AL, Thomaz PMM. Medidas não farmacológicas para controle da dor no recém-nascido pré-termo. Revista Rede de Cuidados em Saúde 2013; 7(2):1-14.
  24. Guinsburg R, Kopelman BI, Almeida MFB, Miyoshi MHI. A dor no recém-nascido prematuro submetido a ventilação mecânica através de cânula traqueal. Jor Pediat 1994; 75(3):82-90.
  25. Bueno M. Dor no período neonatal. Reflexões e Intervenções de Enfermagem. In: Leão ER, Chaves LD. Dor 5° sinal vital. São Paulo (SP): Martinari; 2007. p. 227-250.
  26. Pimenta CAM. Dor: Manual Clínico de Enfermagem. São Paulo [sn]; 2000.
  27. Segre CAM. Perinatologia fundamentos e práticos. São Paulo (SP): Sarvier; 2002.
  28. Cunha I. A revolução dos bebês: Aspectos de como as emoções esculpem o cérebro e geram os comportamentos no período pré e perinatal. Rev Psicanalítica SPRJ 2001; 2(1):102-128.
  29. Barbosa SMM, Castellanos ALZ, Krebs VLJ, Okay Y. A dor no recém-nascido: prevenção e terapêutica. Rev Dor 2000; 2(2): 26-35.
  30. Whalley LF, Won DL. Enfermagem pediátrica: elementos essências na intervenção afetiva. 5ª ed. Río de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 1999.
  31. Lima AS, Silva VKBA, Collet N, Silva APR, Oliveira BRG. Relações estabelecidas pelas enfermeiras com a família durante a hospitalização infantil 2010; 19(4):700-708.