3
Aladefe

Aladefe

ABRIL 2014 N° 2 Volumen 4

Fatores relacionados aos erros de administração de medicamentos entre profissionais de enfermagem: revisão integrativa da literatura

Sección: Revisiones

Autores

1Sheila de Assis Martins, 2Gislaine Desani da Costa

1Discente no Curso de Graduação em Enfermagem do Instituto Santanense de Ensino Superior, Santana, São Paulo (Brasil).
2Docente no Curso de Graduação em Enfermagem do Instituto Santanense de Ensino Superior, Santana, São Paulo (Brasil).

Contacto:

Email: gislaine.desani@usp.br

Resumen

Factores relacionados con los errores de administración de medicamentos entre profesionales enfermeros: revisión íntegra de la literatura

Objetivo: identificar las publicaciones científicas sobre los factores relacionados con los errores en la administración de medicamentos entre los profesionales de Enfermería en la asistencia sanitaria nacional, en el periodo comprendido entre 2002 y 2012, y proporcionar una visión general de los mismos.
Método: revisión íntegra en consulta en la base de datos LILACS. Se utilizaron como palabras clave: “errores” y “administración” de medicamentos. Se seleccionaron 20 artículos.
Resultados: los resultados revelaron prevalencia de los estudios publicados y desarrollados por profesionales de Enfermería, en los años 2010 y 2011, en el marco de la metodología descriptiva. Se encontraron una serie de factores relacionados con los recursos humanos, la organización del trabajo, la infraestructura de la institución y el entorno laboral. Entre estos, los factores humanos se destacaron con un 48%.
Conclusiones: estos resultados muestran un hecho preocupante debido a comprometer la seguridad del paciente, que puede conducir a la muerte. Otras investigaciones deben llevarse a cabo con el fin de desarrollar estrategias para prevenir o reducir al mínimo los errores de medicación.

Palabras clave:

Factores de riesgo; causalidad; errores de medicación equipo de Enfermería

Title:

Factors related with medication errors by nurses: a comprehensive literature review

Abstract:

Purpose: to find scientific publications on factors related to medication errors made by nurses at a national healthcare level, from 2002 to 2012, and to report an overview on such errors.
Methods: a comprehensive review was carried out based on LILACS database. Searching  keywords were as follows: “errores” and “administración” of drugs. Twenty papers were selected.
Results: prevailing studies were conducted and reported by nurses in years 2010 and 2011, using a descriptive method. Some factors related to human resources, work arrangements, site infrastructure, and working environment were found. Among such items, human factors were most prevailing (48%).
Conclusions: our results show a worrying issue that can jeopardize patients's safety and even result in patient's death. Additional studies should be performed to develop strategies to prevent or minimize medication errors.

Keywords:

Risk factors; causality; medication errorsnursing staff

Resumo:

Objetivo: identificar publicações científicas sobre fatores relacionados aos erros na administração de medicamentos entre os profissionais de Enfermagem em periódicos nacionais da área de saúde, no período compreendido entre 2002 e 2012 e, apresentar um panorama destes.
Método: consultou-se a base de dados LILACS. Utilizaram-se as palavras-chave: erros e administração de medicamentos. Selecionou-se 20 artigos. Os achados revelaram predomínio de estudos publicados nos anos de 2010 e 2011, desenvolvidos na área de Enfermagem, sob o referencial da metodologia descritiva.
Resultados: constatou-se um conjunto de fatores relacionados aos recursos humanos, à organização do trabalho, à infraestrutura da instituição e ao ambiente de trabalho. Dentre estes, os fatores humanos sobressaíram-se com 48%.
Conclusões: tais resultados denotam um fato preocupante em razão de comprometerem a segurança do paciente, podendo levá-los à morte. Investigações futuras devem ser realizadas com o objetivo de desenvolver estratégias para prevenir ou minimizar os erros de medicação.

Palavras-chave:

Fatores de risco; causalidade; erros de medicaçãoequipe de Enfermagem

Introdução

Nas últimas décadas foram conquistados muitos avanços na área da saúde, entretanto, os pacientes ainda se encontram expostos a vários riscos quando submetidos aos cuidados assistenciais, principalmente no ambiente hospitalar. Por essa razão, a segurança do paciente tornou-se a principal preocupação dos gestores, estudiosos e profissionais (1,2).
Convém ressaltar que as iatrogenias decorrentes da assistência prestada causam, aproximadamente, 44 mil mortes anuais decorrentes de eventos adversos nos hospitais dos Estados Unidos (3). No Brasil, apesar da inexistência de dados estatísticos oficiais sobre eventos adversos causados aos pacientes, estudos desenvolvidos na última década revelam que cerca de 10% dos pacientes hospitalizados sofrem algum tipo de agravo (2).
Os resultados obtidos em um estudo realizado na cidade de São Paulo evidenciaram que, entre os principais eventos adversos ocorridos em uma organização hospitalar, os erros na administração de medicamentos ocupavam o segundo lugar (4).
O “National Coordinating Council for Medication Error Reporting and Prevention”, busca esclarecer as causas dos erros de administração de medicamentos e desenvolver estratégias que promovam a utilização segura, define como erro de medicação qualquer evento passível de prevenção que pode causar ou induzir ao uso inadequado ou prejudicar o paciente enquanto o fármaco está sob o controle do profissional de saúde, paciente ou consumidor. Tais eventos estão relacionados à prática profissional, como: produtos, procedimentos e sistemas, incluindo prescrição; comunicação da prescrição; rótulo do produto, embalagem e nomenclatura; composição; dispensação; distribuição; bem como preparo, administração e monitoração (5).
No que concerne aos erros relacionados ao preparo e à administração de medicamentos, vários estudos vêm sendo realizados no intuito de identificarem-se os tipos mais comuns quanto à diluição, à dosagem, às vias, aos pacientes, entre outros aspectos, na prática assistencial dos profissionais de Enfermagem (6-8).
Evidências revelam que a equipe de Enfermagem tem o potencial de interceptar em até 86% a ocorrência de erros na administração de medicação nos processos de prescrição, transcrição e dispensação. Contudo, na prática assistencial, somente 2% dos erros são interceptados (9).
Diante de tal constatação, formulou-se a seguinte pergunta “quais situações favorecem a ocorrência de erros na administração de medicamentos entre os profissionais de Enfermagem?”.
Desse modo, o objetivo deste estudo foi identificar as publicações científicas sobre fatores relacionados aos erros na administração de medicamentos entre os profissionais de Enfermagem em periódicos nacionais da área de saúde, no período compreendido entre 2002 e 2012 e, apresentar um panorama dos fatores relacionados à ocorrência de erros na administração de medicamentos entre os profissionais de Enfermagem.
A escolha dessa temática se justifica por acreditar-se que conhecer o que se passa com essa categoria profissional pode contribuir, em parte, para lutar por melhorias no desempenho, uma vez que o processo da administração de medicamentos requer atualização constante. Assim, a compilação dos resultados de vários estudos possibilita uma compreensão da realidade vivenciada, o que poderá subsidiar a formulação de estratégias capazes de proporcionar uma prática segura, eficaz, com excelência.

Método

Para atingir os objetivos propostos, realizou-se uma revisão de literatura do tipo integrativa. A revisão integrativa é um método cujo intuito é reunir e sintetizar o conhecimento pré-existente sobre a temática proposta. Proporciona a síntese de conhecimento e facilita a incorporação dos resultados de estudos significativos na prática assistencial. Envolve seis etapas, as quais foram utilizadas neste estudo: seleção da questão para a revisão; seleção das pesquisas que constituirão a amostra; representação das características da pesquisa revisada; análise dos achados de acordo com os critérios de inclusão estabelecidos; interpretação dos resultados; apresentação e divulgação dos resultados (10).
Para a seleção das publicações científicas que compuseram este estudo utilizou-se, como base de dados, a plataforma eletrônica LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde) por meio do site: http://lilacs.bvsalud.org/. A busca de artigos originais ocorreu no mês de março de 2012 e foi feita por meio das seguintes palavras-chave: “administração de medicamentos” AND “erros”.
Foram utilizados os seguintes critérios de inclusão: (1) artigos que retrataram os erros de administração de medicamentos e os fatores a eles relacionados; (2) publicados no período compreendido entre janeiro de 2002 a 15 de março de 2012; (3) redigidos no idioma português e (4) indexados na íntegra.
Os artigos selecionados foram analisados por meio de um formulário elaborado pelos próprios autores, com itens relativos a:

  • Dados de identificação do estudo: título do artigo, ano de publicação, periódico e tipo de publicação;
  • Delineamento do estudo: experimental, quase experimental, não experimental, e os diferentes modelos dentro desta última categoria: correlacional, prospectivo, retrospectivo, survey e estudos documentais ou bibliográficos; e
  • Fatores relacionados aos erros de administração de medicamentos.

Com o auxílio desse formulário, os artigos selecionados foram lidos e relidos conforme a necessidade, sendo todos analisados de forma detalhada e crítica. Tal procedimento tem por finalidade garantir a validade da revisão (11,12).
Os dados foram transcritos, organizados e armazenados em planilha do Microsoft Office Exel®. Para análise, utilizou-se a estatística descritiva e os resultados são apresentados sob a forma de distribuição de frequência em porcentagem.

Resultados

Na busca realizada na base de dados LILACS foram levantadas 74 publicações, a partir das palavras-chave eleitas. Do total de 74 publicações, foram excluídas 54, em razão de: 31 delas não contemplarem os fatores relacionados aos erros na administração de medicamentos; 17 terem sido publicadas anteriormente ao ano de 2002; duas por impossibilidade de acessar o artigo na íntegra e outras quatro, por estarem redigidas no idioma espanhol. Permaneceram 20 artigos, cujos resultados são apresentados na Figura 1 e nas Tabelas 1, 2, 3 e 4.

Em relação ao ano de publicação, os dados revelaram prevalência de estudos publicados entre 2010 (5) e 2011 (5) (Figura 1), o que corresponde à metade da amostra, evidenciando que nos últimos anos o interesse dos pesquisadores sobre as circunstâncias que favorecem erros de medicação entre os profissionais de Enfermagem é crescente.

Quanto aos tipos de periódicos no qual se encontram publicados os artigos selecionados, observa-se na Tabela 1 uma diversidade pertencente à área de Enfermagem, sendo que 30% deles foram publicados na Revista Latino-Americana de Enfermagem.

Convém ressaltar que todos os estudos selecionados foram desenvolvidos em organizações hospitalares.
No que diz respeito ao tipo de publicação, no levantamento realizado, predominou o segmento de Enfermagem (85%), confirmando que a temática abordada constitui objeto de intensa investigação na área (Tabela 2).

Os artigos também foram analisados de acordo com o delineamento do estudo. Os resultados indicam que a maioria foram estudos descritivos, caracterizando 35% dos trabalhos analisados, conforme evidenciam os dados apresentados na Tabela 3.

Em relação às circunstâncias que favorecem a ocorrência de erros na administração de medicamentos entre os profissionais de Enfermagem, os artigos selecionados (6,13-31) revelaram um conjunto de fatores relacionados a: recursos humanos, organização do trabalho, infraestrutura da instituição e ambiente de trabalho. Nos resultados, sobressaem-se as prescrições médicas com conteúdo inadequado ou incorreto, correspondendo a 14,4% do total. Já os itens: déficit de conhecimento, falhas no processo de comunicação entre os profissionais, medicamentos com rotulagem semelhante, número insuficiente de funcionários, resultaram em 8,3% cada. E, com relação aos itens: despreparo da equipe de enfermagem, negligência ou imprudência, organização, distribuição e acondicionamento inadequados dos medicamentos, sistema de medicamentos complexos e com falhas e sobrecarga de trabalho, o resultado foi 6,2% para cada (Tabela 4).

Discussão

Com base no levantamento bibliográfico, constatou-se que a prescrição médica corresponde à principal circunstância que favorece a ocorrência de erros na prática assistencial dos profissionais de Enfermagem. Os resultados evidenciam que prescrições incompletas e/ou compreendendo abreviaturas não padronizadas, assim como ilegibilidade da letra do médico e erros no preenchimento de requerimentos podem favorecer erros como a administração de doses erradas, resultando em ineficiência do tratamento e comprometendo a qualidade da assistência prestada aos pacientes hospitalizados (13-16,18,29).
Um estudo visando analisar a influência da redação da prescrição médica nos erros de via de administração, ocorridos em enfermaria de clínica médica de cinco hospitais brasileiros, demonstrou que 91,3% das prescrições continham siglas/abreviaturas, 22,8% não continham dados do paciente e 4,3% não apresentavam data e continham rasuras (13).
O déficit de conhecimento e o despreparo dos profissionais de enfermagem podem levar a erros de cálculo, preparo e administração de medicamentos (17-20). Outra causa de erro no preparo e na administração de medicamentos diz respeito à semelhança de embalagens e nomes dos medicamentos (29).
Estudo recente relata dois casos compreendendo falhas humanas, ocorridos com medicamentos idênticos. Em um dos casos, os frascos de vaselina e de solução de venóclise eram idênticos e o nome dos medicamentos estava em etiquetas de mesma cor, assim como eram semelhantes quanto ao tamanho, formato e cor da tampa flip top, causando a morte de uma criança. O profissional de enfermagem mencionou que foi induzido ao erro porque os frascos estavam no mesmo armário.
O outro caso envolveu medicamento potencialmente perigoso que causou parada cardíaca: ampolas de água destilada foram trocadas, equivocadamente, por Cloreto de Potássio, em virtude da semelhança e por estarem armazenados no mesmo local, ocasionando a morte de uma criança de três anos por troca acidental (29).
Muitos erros podem ser gerados por falhas no processo de comunicação entre os profissionais de enfermagem e os membros da equipe multiprofissional. Evidências mostram pontos frágeis na comunicação em cada um dos processos do sistema de medicação, os quais podem levar profissionais a desenvolver atos inseguros, como: prescrições incompletas que dificultam compreensão das mensagens enviadas; falhas no preenchimento de requisições e formulários que inviabilizam o fornecimento de medicamentos ao paciente; falhas na troca de informações entre as equipes dos diferentes processos; uso de etiquetas de identificação incompletas dos medicamentos e falta de comunicação entre as equipes e os pacientes, fazendo com que informações relevantes deixem de ser transmitidas (18,23,25).
Neste sentido, uma das formas de prevenir os erros na administração de medicamentos é a elaboração e implementação de mecanismos de segurança voltados ao sistema de medicação, deixando de lado a punição dos profissionais a cada erro ocorrido, fazendo com que cada erro seja discutido e revertido em educação e melhorias (32).
Estudo multidisciplinar no qual foram utilizados alguns princípios de segurança e orientações evidenciou a redução de erros de medicação que atingiam o paciente. Tais princípios foram: eliminar as punições; aprender com o erro; simplificar o sistema de medicação; padronizar os processos; utilizar procedimentos que estimulem as pessoas a seguir o caminho certo e reduzir a transferência de atividades entre pessoas (33).

Considerações finais

Investigações sobre as circunstâncias que resultam em ocorrências iatrogênicas no preparo e na administração de medicamentos evidenciaram que os fatores humanos sobressaíram-se frente aos demais. Tal fato pode ser considerado preocupante em razão de comprometer a segurança do paciente por erros provenientes de profissionais de enfermagem. Portanto, a implantação de medidas preventivas é prioritária, assim como as estratégias para atualização dos conhecimentos dos profissionais, como a educação permanente, a reestruturação do ambiente de trabalho, quando inadequado, e a reorganização do processo de trabalho.
Em face do exposto, considera-se que a investigação das circunstâncias que favorecem a ocorrência de erros na administração de medicamentos representa uma estratégia de grande importância, em virtude de ser possível, por meio desses dados, implantar intervenções a fim de tornar a prática assistencial dos profissionais de enfermagem mais segura.
Investigações futuras devem ser realizadas com o objetivo de desenvolver estratégias que tenham como prioridade a prevenção e minimização dos erros de medicação, conforme as práticas atuais embasadas nas evidências científicas.

Bibliografía

  1. 1.    Ques AAM, Montoro CH, González MG. Fortalezas e ameaças em torno da segurança do paciente segundo a opinião dos profissionais de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2010; 18(3):339-345.
    2.    Mendes W, Travassos C, Martins M, Marques PM. Adaptação dos instrumentos de avaliação de eventos adversos para uso em hospitais brasileiros. Rev. Bras. Epidemiologia 2008; 11(1):55-66.
    3.    Nunes PHC, Pereira BMG, Nominato JCS, Albuquerque EM, Silva LFN, Castro IRS, et al. Intervenção farmacêutica e prevenção de eventos adversos. Rev. Bras. Ciências Farmacêuticas 2008; 44(4):1-12.
    4.    Lima LF, Leventhal LC, Fernandes MPP. Identificando os riscos do paciente hospitalizado. Einstein 2008; 6(4):434-438.
    5.    Praxedes MFS, Telles Filho PCP, Gobbo AFF. Erros de medicação: o enfermeiro, o farmacêutico e as ações educativas como estratégias de prevenção. Perspectivas On Line  2009; 3(10):114-119.
    6.    Miasso AI, Grou CR, Cassiani SHB, Silva AEBC, Fakih FT. Erros de medicação: tipos, fatores causais e providências tomadas em quatro hospitais brasileiros. Rev. Escola Enfermagem USP 2006; 40(4):524-532.
    7.    Bohomol E, Ramos LH. Erro de medicação: importância da notificação no gerenciamento da segurança do paciente. Rev. Bras. Enfermagem 2007; 60(1):32-36.
    8.    Praxedes MFS, Telles Filho PCP. Identificação de erros no preparo e administração de medicamentos pela equipe de enfermagem e das ações praticadas pela instituição hospitalar. Cogitare Enfermagem 2008; 13(4):514-519.
    9.    Cardoso DMLL, Tiyo R, Neto Filho MA. Erros de medicação. Uningá Review 2010; 4(5):22-28.
    10.    Alvarenga MRM, Mendoza IYQ, Faro ACM. Instrumento de avaliação funcional de idosos submetidos à cirurgia ortopédica: revisão integrativa da literatura. Acta Fisiat 2007; 14(1):32-40.
    11.    Mendes KDS, Silveira RCCP, Galvão CM. Revisão Integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Contexto Enferm. Florianópolis 2008; 17(4):758-764.
    12.    Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de metodologia científica. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2009.
    13.    Gimenes FRE, Marques TC, Teixeira TCA, Mota MLS, Silva AEBC, Cassini SHB. Administração de medicamentos, em vias diferentes das prescritas, relacionada à prescrição médica. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2011 ;19(1):11-17.
    14.    Corbellini VL, Schilling MCL, Frantz SF, Godinho TG, Urbanetto JS. Eventos adversos relacionados a medicamentos: percepção de técnicos e auxiliares de enfermagem. Rev. Bras. Enfermagem 2011; 64(2):241-247.
    15.    Rodrigues MCS, Oliveira LC. Erros na administração de antibióticos em unidade de terapia intensiva de hospital de ensino. Rev. Eletrônica Enferm 2010; 12(3):1-9. [Em línea] [Acesso em: 1 abril 2014]. Disponível em: http://revistas.ufg.br/index.php/fen/article/view/11935/7870
    16.    Gimenes FRE, Mota MLS, Teixeira TCA, Silva AEBC, Opitz SP, Cassiani SHB. Segurança do paciente na terapêutica medicamentosa e a influência da prescrição médica nos erros de dose. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2010; 18(6):1055-61.
    17.    Raduenz AC, Hoffmann P, Radunz V, Dal Sasso GTM, Maliska ICA, Marck PB. Cuidados de enfermagem e segurança do paciente: visualizando a organização, acondicionamento e distribuição de medicamentos com método de pesquisa fotográfica. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2010; 18(6):1045-54.
    18.    Franco JN, Ribeiro G, D'Innocenzo MB, Brícia PA. Percepção da equipe de enfermagem sobre fatores causais de erros na administração de medicamentos. Rev. Bras. Enfermagem 2010; 63(6):927-932.
    19.    Teixeira TCA, Cassiani SHB. Análise de causa raiz: avaliação de erros de medicação em um hospital universitário. Rev. Esc. Enferm. USP 2010; 44(1):139-146.
    20.    Freitas DF, Oda JY. Avaliação dos fatores de risco relacionados às falhas durante a administração de medicamentos. Arq. Ciências Saúde UNIPAR 2008; 12(3):1-11.
    21.    Silva AMS. Erros de prescrição médica de pacientes hospitalizados. Einstein 2009; 7(3):1-12.
  2. 22.    Silva AEBC, Cassiani SHB. Erros de medicação em hospital universitário: tipo, causas, sugestões e providências. Rev. Bras. Enfermagem 2004; 57(6):671-674.
    23.    Silva DO, Grou CR, Miasso AI, Cassiani SHB. Preparo e administração de medicamentos: análise de questionamentos e informações da equipe de enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2007; 15(5):1010-19.
    24.    Louro E, Romano-Lieber NS, Ribeiro E. Eventos adversos a antibióticos em pacientes internados em um hospital universitário. Rev. Saúde Pública 2007; 41(6):1042-48.
    25.    Silva AEBC, Cassiani SHB, Miasso AI, Opitz SP. Problemas na comunicação: uma possível causa de erros de medicação. Acta Paul. Enferm 2007; 20(3):272-276.
    26.    Camargo MNV, Padilha KG. Ocorrências iatrogênicas com medicação em unidades de terapia intensiva. Acta Paul. Enferm 2003; 16(4):69-76.
    27.    Cassiani SHB, Miasso AI, Silva AEBC, Fakin FT, Oliveira RC. Aspectos gerais e número de etapas do sistema de medicação de quatro hospitais brasileiros. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2004; 12(5):781-789.
    28.    Lopes DMA, Néri EDR, Madeira LS, Souza Neto PJ, Lélis ARA, Souza TR, et al. Análise da rotulagem de medicamentos semelhantes: potenciais erros de medicação. Rev. Assoc. Méd. Bras 2012; 58(1):95-103.
    29.    Praxedes MFS, Telles Filho PCP. Erros e ações praticadas pela instituição hospitalar no preparo e administração de medicamentos. REME Rev. Min. Enferm 2011; 15(3):406-411.
    30.    Oliveira RB, Melo ECP. O sistema de medicação em um hospital especializado no município do Rio de Janeiro. Esc. Anna Nery Rev. Enferm  2011; 15(3):480-489.
    31.    Silva AEBC, Reis AMM, Miasso AI, Santos JO, Cassiani SHB. Eventos adversos causados por medicamentos em um hospital sentinela do estado de Goiás, Brasil. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2011; 19(2):378-386.
    32.    Lee P. Ideal principles and characteristics of a fail-safe medication-use system. Am. J. Health-System Pharm 2002; 59(4):369-371.
    33.    Womer RB, Tracy E, Soo-Hoo W, Bickert B, DiTaranto S, Barnsteiner JH. Multidisciplinary systems approach to chemotherapy and holding the gains. J. Clin. Oncol 2002; 20(24):4705-12.