3
Aladefe

Aladefe

OCTUBRE 2015 N° 4 Volumen 5

A produção do conhecimento sobre o ensino superior em enfermagem no Brasil: um estudo bibliométrico

Sección: Revisiones

Autores

1 Larissa Bertacchini de Oliveira, 2 Fábio da Costa Carbogim, 3 Heloisa Ribeiro do Nascimento, 4 Cláudia Maria Messias, 5 Lucinéia Ferreira de Sousa, 6 Vilanice Alves de Araújo Püschel

1 Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem na Saúde do Adulto pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (SP), Brasil.
2 Enfermeiro. Doutorando em Enfermagem na Saúde do Adulto pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (SP), Brasil.
3 Enfermeira. Mestre em Enfermagem na Saúde do Adulto pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (SP), Brasil.
4 Enfermeira. Doutora em Enfermagem pela Escola de Enfermagem Anna Nery da Universidade Federal do Rio de Janeiro (RJ), Brasil.
5 Enfermeira. Especialista em Enfermagem em Emergência, Pronto Socorro Municipal de Suzano (SP), Brasil.
6 Enfermeira. Professora Associada da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (SP), Brasil.

Resumen

Introdução/Objetivo: o estudo buscou identificar a produção científica nacional sobre o ensino superior em Enfermagem no Brasil no período entre 2001 e 2015, e classificar a produção científica encontrada de acordo com a quantidade, idioma, revista, ano, região e estado brasileiro, delineamento, temática, descritores, formação e titulação dos autores.
Método: trata-se de uma revisão bibliométrica. Foram selecionados 214 artigos permitindo caracterizar a produção científica nacional.
Resultados: Aapartir do estudo, constatou-se progressivo aumento nas publicações entre os anos de 2006 e 2011, adivindas de produções de cunho reflexivo pós inserção das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) estabelecidas em 2001, com queda expressiva em 2012.
Discussão/Conclusões: no entanto, cabe destacar que esta queda tem relação com o aumento de produções que abordam o ensino em nível de pós-graduação. Torna-se pertinente a existência de periódico nacional especializado no ensino de Enfermagem, de modo a congregar estudos e estimular discussões.

Palabras clave:

ensino superior ; enfermagem ; produção intelectual

Title:

Knowledge production in higher nursing education in Brazil: a bibliometric study

Abstract:

Introduction/purpose: we set out to identify national scientific production on higher nursing education in Brazil from 2001 to 2015 and to classify such production based on the amount, language, journal, year, Brazilian region and state, design, subject, key descriptors, and authors’ qualifications.
Methods: this is a bibliometric review based on 214 selected papers allowing scientific production to be characterized.
Results: a gradually increasing amount of publications from 2006 to 2011 was found with reflective productions being observed after the implementation of National Curriculum Guidelines (DCN) in 2001, and a significant drop in 2012.
Discussion/Conclusions: the observed drop is related to increased production on postgraduate education. A national journal focused on nursing education would be very useful to bring together studies and promote debate.

Keywords:

higher education; nursing; intellectual production

Portugues

Título:

La producción del conocimiento en la educación superior en enfermería en Brasil: un estudio bibliométrico

Resumo:

Objetivos: el estudio buscó identificar la producción científica nacional sobre la educación superior en enfermería en Brasil entre 2001 y 2015 y clasificarla de acuerdo a la cantidad, el lenguaje, la revista, el año, la región y el estado brasileño, diseño, tema, descriptores, formación y la titulación de los autores.
Método: se trata de una revisión bibliométrica de 214 artículos que permiten caracterizar la producción científica.
Resultados/discusión: a partir del estudio hubo un aumento progresivo de las publicaciones entre los años 2006 y 2011, dando como resultados producciones con carácter reflexivo después de la inserción de las Directrices Curriculares Nacionales (DCN) establecidas en 2001, con disminución significativa en el 2012. Sin embargo, vale la pena señalar que este descenso está relacionado con el aumento de las producciones que abordan la enseñanza en el nivel de posgrado. Es pertinente a la existencia de la revista nacional especializada en la enseñanza de enfermería con el fin de reunir a los estudios y para estimular el debate.

Palavras-chave:

educación superior; enfermería; producción intelectual

Introdução

Desde o final do século XX, os cursos de graduação em Enfermagem no Brasil têm passado por importantes transformações curriculares, em especial a partir de 2001 quando foram estabelecidas as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Graduação em Enfermagem (DCN/ENF)1. Tendo em vista as múltiplas exigências sociais e a necessidade de um profissional com habilidades e competências para modificar os indicadores de saúde do país, as DCN/ENF estabelecem propostas tendo em vista à formação orientada pelos princípios do Sistema Único de Saúde (SUS) (1,2).

É uma construção que emerge das mudanças e atualizações no ensino, trazidas pela Lei nº 9.394/96 (Lei de Diretrizes e Bases do Ensino Nacional) (3), e aponta caminhos para mudanças na educação brasileira. Não obstante, converteu-se em desafio para todos os envolvidos na formação, de modo a atuar em um novo paradigma advindo das aceleradas transformações mundiais, marcadas pelo desenvolvimento científico e tecnológico (4).

Emanando das propostas políticas no ensino, surgem projetos de mudanças no ensino-aprendizado, numa tentativa de aproximar a prática educacional da prática assistencial (5,6). Assim, como consequência das constantes propostas de transformações, dentre elas, mais recentemente, o Plano Nacional de Educação (PNE) (7), esforços têm sido envidados com vistas a compreender o impacto das políticas de Estado no ensino de graduação em Enfermagem (8-10).

Neste contexto, as investigações que inserem a produção científica nacional sobre o ensino superior em Enfermagem entre os anos de 2001 e 2015, ganham importância já que representa um período de grande mobilização para a reestruturação do ensino da área. Dessa forma, torna-se importante identificar nesses estudos os assuntos centrais abordados, delineamentos, área geográfica da produção, perfil acadêmico dos autores, dentre outros aspectos, objetivando destacar o progresso no ensino de Enfermagem e os desafios a serem superados.

Considera-se que o presente trabalho assume um caráter relevante, por buscar preencher uma lacuna na literatura da área, além de possibilitar debate acerca do processo de formação e seus desafios, favorecendo a construção de novos saberes.

Objetivos

  • Identificar a produção científica nacional sobre o ensino superior em Enfermagem no Brasil no período entre 2001 e 2015.
  • Classificar a produção científica identificada de acordo com: o número de artigos publicados; ano e idioma de publicação; periódico em que foi publicado; Região do Brasil e Unidade da Federação em que o estudo foi desenvolvido; delineamento do estudo; temática abordada; descritores utilizados e a formação e titulação dos autores.

Metodologia

Trata-se de revisão bibliométrica da literatura. A bibliometria tem como objetivo analisar quantitativamente o processo de publicação científica ou técnica em determinada área do conhecimento e, assim, permitir o desenvolvimento de indicadores confiáveis (11). Para a seleção dos artigos foram utilizadas as bases de dados LILACS (Literatura Latino-Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), MEDLINE (Medical Literature Analysis and Retrieval Sistem on-line) e BDENF (Base de Dados de Enfermagem). Os critérios de inclusão dos artigos foram: artigos publicados em Português, com disponibilidade on-line na íntegra; publicados no período compreendido entre janeiro de 2001 e janeiro de 2015; e estudos que discorressem sobre o ensino superior em Enfermagem. A busca foi realizada pelo acesso on-line nas bases de dados selecionadas, de forma independente, por dois revisores. Os termos controlados utilizados foram: ensino superior e Enfermagem.

Os artigos selecionados foram analisados conforme dados bibliométricos relativos à: periódicos em que foram publicados, descritores mais utilizados e titulação acadêmica dos autores. Para a organização da amostra de estudos, foi elaborada uma planilha no programa “Microsoft Office Excel”; quanto à apresentação dos resultados e discussão, observou-se a forma descritiva.

Resultados

Foram identificados 329 artigos e selecionados 214, a partir da leitura dos estudos na íntegra, sendo excluídos os estudos duplicados e aqueles que não atendiam aos critérios de inclusão. Quanto aos periódicos, foram identificados 24, sendo 18 específicos de Enfermagem, quatro da área de saúde geral e dois voltados para a educação em saúde.

De 2006 a 2011 e no ano de 2013, observou-se maior número de publicações relacionadas ao ensino de graduação em Enfermagem, sendo: 11% em 2006, 12% em 2007, 7,9% em 2008, 10% em 2009, 9% em 2010, 20% em 2011 e 8% em 2013.

A distribuição de artigos foi maior nos seguintes periódicos: Revista Brasileira de Enfermagem - REBEN (20%), Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo - REEUSP (16%) e Revista Latino-Americana de Enfermagem - RLAE (14%). Embora tenha sido identificado um maior número de publicações nestes três periódicos, observou-se um aumento progressivo de publicações sobre ensino de graduação em Enfermagem nos demais periódicos consultados (Tabela 1).

Quanto ao local em que os estudos incluídos foram desenvolvidos, a maioria das instituições de pesquisa está localizada na região Sudeste (46%) do país, seguido do Sul (20%) e Nordeste (18%), segundo dados da Tabela 2.

Quanto ao delineamento dos estudos, a maioria dos autores utilizou uma abordagem qualitativa (79%), seguida da quantitativa (14,5%) e 6,5% uma abordagem mista. Quanto ao tipo de publicação, 152 (71%) eram constituídos de artigos originais, sendo destes 107 (70%) eram estudos descritivos, 42 (28%) se tratavam de estudos documentais e apenas três (2%) estudos de intervenção. Os demais foram estudos de reflexão (11%), relatos de experiência (9%), revisão da literatura (8%) e estudos de caso (1%).

Com relação às temáticas abordadas nos estudos destacaram-se os artigos que abordaram o processo ensino-aprendizagem (29%), a avaliação do ensino (15%) e a metodologias do ensino utilizadas pelos docentes (13%), como mostram os dados da Tabela 3.

Os dados referentes a titulação dos autores dos estudos incluídos mostraram que 58% deles tinham o título de doutor, 19% eram mestres e 3% especialistas. Os demais eram profissionais com graduação em Enfermagem completa (13%) e 4% eram estudantes de graduação. Não foi identificado nenhum estudo que incluísse autor que não fosse da área da Enfermagem, de modo que em 3% dos casos, não foi mencionada a titulação do autor, assim como não conseguimos obter esta informação por outra fonte. Não foram considerados os dados de pós-graduação ou pós-doutorado em andamento, sendo considerada a maior titulação completa, exceção foi feita a graduação na área.

As principais palavras-chave pelas quais os estudos incluídos foram indexados incluíram: educação em enfermagem, enfermagem, educação superior, ensino, educação, currículo, docente, estudantes de enfermagem e ensino superior. Aquelas citadas apenas uma vez, foram agrupadas em “outros” (Tabela 4).

Discussão

A partir do estudo, constatou-se progressivo aumento nas publicações entre os anos de 2006 e 2011, adivindas de produções de cunho reflexivo pós inserção das Diretrizes Curriculares Nacionais (DCN) (1) estabelecidas em 2001, com queda expressiva em 2012. No entanto, cabe destacar que esta queda tem relação com o aumento de produções que abordam o ensino em nível de pós-graduação, evidenciado pelo processo de exclusão. Assim, apesar do aumento no número de publicações na área seguir a tendência observada nos anos anteriores, as publicações relacionadas à pós-graduação não foram contabilizadas por não serem objeto deste estudo.

Quanto ao número de artigos por periódicos, foi observada maior distribuição em revistas conceituadas e com maior fator de impacto. Por outro lado, verificou-se aumento progressivo de publicações sobre ensino de graduação em Enfermagem nos demais periódicos. Acredita-se que esta tendência esteja relacionada ao grau de exigências e tempo de espera para publicar nos primeiros periódicos. Este aspecto tende a possibilitar maior divulgação e democratização científica na Enfermagem, contribuindo para que outros periódicos ganhem visibilidade e, na mesma proporção, determinem o aumento na qualidade da produção.

Verificou-se concentração das publicações na região Sudeste, relacionando-se principalmente com o número elevado de instituições de ensino nela existentes nesta região, seguida pelo Sul, Nordeste, Centro-Oeste e Norte (12). Observa-se, nessa perspectiva, um retrato da distribuição heterogênea da educação e da concentração econômica no País. Logo, o ensino superior, que tem a finalidade de produzir conhecimento científico e tecnológico (13), concentrou-se na região que requer tal produção.

Neste contexto, a pluralidade de delineamentos nas pesquisas constitui-se em ferramenta que a Enfermagem tem utilizado para buscar respostas aos seus questionamentos. Nas investigações no campo da graduação em Enfermagem, os estudos têm explorado variadas dimensões do ensino visando melhor compreendê-las, prevê-las e controlá-las. Destarte, estudos qualitativos, quantitativos ou experimentais têm contribuído para o caráter científico deste campo. Todavia, identificou-se porcentagem significativa de produções qualitativas no período estudado. A pesquisa qualitativa tem representado, desde a década de 80, um modelo alternativo para a Enfermagem, no sentido de vislumbrar as relações interpessoais e propor a interpretação das leis e fatos humanos em sua produção (9,12).

Quanto ao tipo de estudo, 71% foram produções categorizadas como originais, demonstrando empenho dos pesquisadores em descrever, intervir e testar o ensino superior em Enfermagem. Contudo, as exigências das bases de dados para indexação podem influenciar esse tipo de produção, tendendo os periódicos para o maior aceite e publicação desses trabalhos.
Em relação às publicações de acordo com o assunto abordado, o tema que aparece com maior frequência é o processo de ensino-aprendizagem (29%), que pode estar relacionada ao anseio em verificar, discutir e demonstrar pela pesquisa, a ineficiência do modelo tradicional de ensino-aprendizagem, considerado insuficiente para abarcar as necessidades de saúde com suas demandas. Esse tema não está desvinculado dos demais que apareceram neste estudo: avaliação de ensino (15%) e metodologia do ensino (13%).

No que concerne à titulação dos autores, com caracterização baseada na titulação máxima, (58%) tem grau de doutorado. Foi observada expressiva participação de alunos de programas de pós-graduação (mestrado e doutorado) como autores principais ou co-autores nos trabalhos. Este dado, dentre outros, tem a ver com os critérios estabelecidos pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), que vem utilizando e aprimorando seu sistema de avaliação para verificar o desempenho dos programas de pós-graduação. Logo, tem exigido cada vez mais rigor nos procedimentos de avaliação de qualidade e, consequentemente, estimulado os resultados das pesquisas através de publicações científicas (14,15).

As palavras-chave de indexação nos periódicos variam muito, sendo Educação em Enfermagem a principal encontrada, seguida por Enfermagem, Educação superior, Ensino, Educação, Currículo, Docente, Estudantes de Enfermagem e Ensino superior. A maioria se referia direta ou indiretamente à especialidade de Enfermagem, teoria ou técnica aplicada no estudo.

A produção científica nacional sobre ensino superior em Enfermagem tem aumentado de forma consideravelmente a partir da publicação das DCN para os cursos de graduação nessa área. Desta forma, o presente trabalho teve por finalidade contribuir para identificar o quantitativo desta produção, o ano, a região, delineamento, temática, descritores, formação e titulação dos autores. Acredita-se que a relevância da temática e os dados apresentados sejam pertinentes no contexto do ensino de Enfermagem, pois vem ao encontro da aceleração constante em que vivemos, as atualizações científicas ou tecnológicas necessárias e o papel que se espera da universidade quanto à pesquisa e ao desenvolvimento.

Neste sentido, todas as normas que devem ser cumpridas em um curso formal nos levam a uma rotina e velocidade que capturam toda a possibilidade de criação. E assim, trazer esses resultados demonstram a necessidade de se refletir acerca da importância em detectar potências, acolher e apropriarmo-nos dos espaços invisíveis dos processos educativos.

Conclusão

Os resultados encontrados permitiram caracterizar a produção científica nacional no contexto dos últimos quatorze anos, sendo possível identificar o quantitativo, distribuição, temáticas, delineamentos, autores, evidenciando uma tendência a grande expansão. Diante disso, torna-se pertinente a criação de periódico nacional especializado no ensino de Enfermagem, de modo a congregar estudos e estimular discussões. Porém, é preciso avançar significativamente, de modo a contribuir para que a área da Enfermagem atinja os parâmetros de produção científica das demais áreas da Saúde. Para que essa estrutura seja fortalecida, pode-se utilizar como estratégia a formação de redes colaborativas para o desenvolvimento de trabalhos científicos, amplificando a produção em periódicos qualificados, nacionais e internacionais.

Bibliografía

  1. Ministério da Educação e Cultura (BR). Conselho Nacional de Educação Brasil. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 03 de 07 de novembro de 2001: Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da União, Brasília, 07 nov. 2001. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf
  2. Ministério da Justiça (BR). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Ministério da Justiça; 1988.
  3. Ministério da Educação (BR). Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996: estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 24 dez. 1996. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/tvescola/leis/lein9394.pdf
  4. Erdmann AL, Fernandes JD, Teixeira GA. Panorama da educação em Enfermagem no Brasil: graduação e pós-graduação. Enfermagem em Foco 2011; 2(supl):89-93. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://revista.portalcofen.gov.br/index.php/Enfermagem/article/view/91
  5. Sobral FR, Campos CJG. Utilização de metodologia ativa no ensino e na assistência de Enfermagem na produção nacional: uma revisão integrativa. Rev Esc Enferm USP 2012; 46(1):208-18. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0080-62342012000100028&script=sci_arttext
  6. Püschel VAA, Oliveira LB. Red Iberoamericana de Investigación en Educación en Enfermería - Região Brasil. Revista Cubana de Enfermería 2014; 30(3):1-7. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://www.revenfermeria.sld.cu/index.php/enf/article/view/392/101
  7. Ministério da Educação (BR). Lei n° 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providencias. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 10 jan. 2001. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03.pdf
  8. Fernandes JD, Teixeira GAS, Silva MG, Florêncio RMS, Silva RMO, Santa Rosa DO. Expansão da educação superior no Brasil: ampliação dos cursos de graduação em Enfermagem. Rev. Latino-Am. Enfermagem 2013; 21(3):[08 telas]. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v21n3/pt_0104-1169-rlae-21-03-0670.pdf
  9. Carbogim FC, Friedrich DBC, Püschel VAA, Oliveria LB, Nascimento HR. Paradigma da Integralidade no Currículo e nas Estratégias de Ensino em Enfermagem: um enfoque histórico-cultural. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro (RECOM) 2014; 4:961-970. [Citado 5 sep 2015]. Disponível em: http://www.seer.ufsj.edu.br/index.php/recom/article/view/426